.Destruindo tudo aquilo que te define como nerd

Maio 12, 2010 at 2:10 am 103 comentários

E vamos com a acidez de sempre, que eu to num puta mal humor.
Nada pessoal gente. É que eu odeio domingo mesmo. Pra mim é um dia morto, em que o bando de macaquinhos brasileiros só pensam em futebol, igreja e em especial, “fazer alguma coisa”. Nunca tem bosta nenhuma decente num dia desses.

Ou pelo menos era domingo quando escrevi esse texto.

-Diferente do que você pensa, seriados de televisão não são nerds. São uma forma de fazer você torrar seu salário, mesada ou dinheiro dos fundos de investimento em dvds (ou blue rays, ou em compras na Itunes Store).
The Big Band Theory não é nerd, Lost não é nerd, House não é nerd, Heroes não é nerd, The Reaper não é nerd. Nenhuma dessas séries (ou qualquer outra) você precisa de ter mais de 1 neurônio para entender. Não passam de draminhas.
Já Simpsons e Family Guy são nerds. Fazem você pensar toda a crítica social, esculacham e o caralho a quatro. Em suma, séries que realmente mostram algo “nerd”, algo que apenas quem REALMENTE tem vontade de querer aprender e se aprofundar nisso, com base científica e tudo o mais, são nerds. E não me venha com essa de  “lost mostra viagens no tempo mano é muito loco!”, que eu só vou aceitar esse argumento quando existirem essas porras na PRÁTICA. Enfiem seus buracos de minhoca em seus rabos, caralho, e eu nem vou citar a questão de acelerar com seu carro para avançar milésimos de segundos. Eu quero algo existente, real e completamente plausível.

Sit-com são.. engraçadas, e só.

E não, o Sheldon não é a sua definição. Todo mundo tem suas manias, ele também tem as dele, além do mais, você não é PhD em Física e, se o fosse de verdade, estaria procurando a partícula de Ribbs ao invés de ler esse texto. E o dr. Gregory House não é o cara mais inteligente do mundo, ele simplesmente teve uma bagagem cultural gigante.

-Filmes TAMBÉM não são nerds. Não é preciso ser gênio super-dotado para saber que Matrix nada mais é uma do que uma crítica social vitaminada com efeitos especiais (que perdeu o rumo nas continuações), assim como Wall-e também o foi. Eu nunca vi uma coisa realmente nerd em Matrix. Por acaso eles mostram COMO invadiram a Matrix? Não, né? Só fica lá o Link (cujo ator, diga-se, só deve prestar para fazer papel sentado. Vide Augustus Hill)  soltando um bot que vasculha a rede atrás de portas abertas.

Francamente meu amigo, até um script-kiddie faz isso.

Star Wars, para mim, não passa de uma piada, de mal gosto ainda por cima. Uma história envolvendo incesto, força interior e naves espaciais? Ah, vá se foder, isso tinha graça em 1980.

E zombis também não tem nada de nerd. Álias, são ilógicos: se eles tem fome, é porque precisam de energia para sobreviver, e tal qual humanos, se essa energia não vier, morrem.
Logo, o passo mais lógico para acabar com uma infestação de zumbis é simplesmente deixar eles mortos de fome. Simples.

-Livros. Um maluquinho toma ópio e faz um livro criticando a sociedade através da descrição da adolescência (A.k.a “Alice no País das Maravilhas”). Um maluquinho fuma maconha e resolve reescrever a história medieval adicionando velinhos que podem atirar fogo pelas mãos, e nesse mundo ocorre uma guerra para ver qual dos lados ganha: o que qeur enfiar o dedo no anel do chefe ou o que quer queimar ele de vez?
Livro nerd para mim tem contas. Cálculos. Amostras de como funciona a psicologia humana (e animal ou qualquer outro ser vivente). Como navegar usando as estrelas como bússola. Como se desenvolver completamente. Como usar apenas de cores para te manipular a comprar um DVD. Como calcular jogadas em Cassinos através da contagem.  Como ganhar uma guerra. O que fazer para reger seu governo. Física, Cálculo, Ciência Computacional, Psicologia, Design, Arte da Guerra, O Príncipe, O círculo e todas essas coisas divertidas.

Afinal, livro de histórinhas é para crianças.

-Como não podia deixar de ser, animês TAMBÉM não são nerds. Me diz uma coisa: tu aprendeu alguns truques ninjas com Naruto?
Claro que não aprendeu. Aquilo ali é apenas exibição. A única coisa de ninjas que você aprende com naruto é… gritar.
Ninjas gritavam o nome de seus golpes, de maneira tão rápida que não podia ser entendida pelos inimigos. Daí achavam que eles estavam falando uma língua do demônio. Você não aprende em naruto que shurikens serviam apenas para fugas e distração, nunca para o ataque em si, já que essas lâminas eram leves demais para serem arremessadas a distância média (e acertarem seus alvos) e difíceis demais de serem manipuladas quando o adversário estava perto.

Não acredita? Vá na Liberdade, compre shurikens de FERRO (que são pesadas e anulam o efeito “distância”) e jogue uma longe. Depois me conta como foi a curva senoidal que ela fez no ar, tá bom?

-Obviamente, eu não poderia deixar de lado os games (aproveitando a onda do último podcast daqui). Mano… desde quando eles ensinam algo realmente útil? Tirando um ou outro jogo de corrida (e veja bem, CORRIDA) e um ocasional de luta, nenhum vale o que presta.
Quer um exemplo recente? God of War III. O cara mata Zeus no final.  Álias, só o mata porque ele era o pai do Kratos. E o que você aprende?
Que olhar nos olhos de uma medusa te mata. E que apertar X + O + direcional para cima arranca a cabeça de Mercúrio.

-Por outro lado, temos os RPGs… ah menina dos olhos do império nerd. Toda uma geração de nerds foi criada em AD&D. A mesma que recebeu leite de pêra com ovomaltino da avó.
Segredinho: isso não é nem um pouco nerd, seu imbecil. Te faz parecer um idiota que grita “EU FIZ UM ATAQUE DE OPORTUNIDADE NO DRAGÃO, ELE TEM QUE PERDER A CABEÇA!”.
A menos que teu mestre saiba como usar isso, mas é esperar demais de alguns adolescentes com titica de galinha na cabeça.

Sabe por que você não é nerd? Porque você simplesmente está seguindo a mesma massa de bois que se diz nerd. É igual a boiada que imigrou do nordeste e veio para São Paulo atrás de oportunidade (e chega aqui não tem um neurônio de pensar em se matricular numa porra de um supletivo, após ouvir do primeiro empregador “Tu não tem nem  a 8ª série”…). Igualzinho a massa que fica travada na Av. Brasil, no rio, dentro do trânsito. Igual a massa de gente que pega ônibus em curitiba ou anda no metro de londres (que é tão cheio quanto o da Sé).

Você não é nerd porque, pra começo de conversa, faz o que todo mundo do seu meio faz. Começe a pensar, e para isso eu recomendo estudar o básico da filosofia: QUES-TIO-NAR.
Aí a gente conversa.

Gbatista

Pegue o capacete que a casa vai cair agora rapá!

Anúncios

Entry filed under: Anti-Cultura. Tags: , , , .

.Minha mãe / Degraus deixados para atrás .Cachorro Grande

103 comentários Add your own

  • 1. Aa  |  Maio 12, 2010 às 10:01 am

    O velho erro nerd=inteligente. Nerd nasceu como insulto e, assim como vários termos ofensivos, acabou sendo incorporado pelo grupo e se tornou bandeira. E, como geralmente acontece num mundo regido pelas leis do mercado, virou mercadoria.

    Ser nerd (parecer ser, fingir ser, querer ser) é moda, e, já que o termo nunca foi bem definido, se torna um produto facilmente comerciável (?). Aí vem com a frescura “nerd, dork, geek”, sendo que tudo era usado pra defnir a mesma pessoa: fracassado sem vida social que tem talento para alguma coisa (geralmente matemática/física). Eu acho que Big Bang Theory define bem o “nerd” (se vc levar em conta que é um sitcom, uma comédia boba porém divertida): amigos na faixa dos 30, solteirões sem sucesso com mulheres nem sucesso profissional (sheldon e leonard dividem o apartamento…), inteligentes e cheios de manias, medos e hobbies fúteis.

    Aliás, parece uma característica essencial do ‘nerd’ ultimamente: gostos fúteis. Quanto mais séries, animes, jogos fulano conhece, mais nerd ele é. Não, não precisa entender teoria das cordas, não precisa saber calcular a àrea que sua casa ocupa, não é nem um pouco obrigado a conhecer três autores essenciais do movimento dadaísta, basta gostar de Weezer, usar óculos e allstar e ter um pendrive a tira-colo.

    Ah, em tempo: Senhor dos Anéis não é nerd. É um bom livro, escrito por um acadêmico inteligente e dedicado. Ninguém chama Tolkien de nerd, porque ele não era. Assim como a maioria dos ditos nerds, inteligentes ou não, não o são. São meramente (pré/pós) adolescentes que ainda estão buscando uma identidade, procurando se ligar a um grupo que os defina, encontrar pessoas que o digam quem ele é, talvez para não se sentir tão sozinhos nesses tempos difíceis (onde identidade não se constrói, mas se compra).

    Responder
    • 2. The Head  |  Maio 12, 2010 às 12:23 pm

      Assim como a maioria dos ditos nerds, inteligentes ou não, não o são. São meramente (pré/pós) adolescentes que ainda estão buscando uma identidade, procurando se ligar a um grupo que os defina, encontrar pessoas que o digam quem ele é, talvez para não se sentir tão sozinhos nesses tempos difíceis (onde identidade não se constrói, mas se compra).

      [2]

      Responder
    • 3. gbatista  |  Maio 12, 2010 às 2:28 pm

      Nerd é a nova modinha.

      Eu tinha dito isso (ou algo parecido) naquela comunidade do orkut, “orgulho nerd”, em 2006. Veja só, eu tava certo afinal :P

      E concordo: quanto mais fútil, mais sem sentido, mais IDIOTA E IMBECIL, maior o grau de nerdice da coisa.

      Discordo que ser nerd seja gostar apenas de uma coisa ou outra, ou levar a palavra às suas raízes. Nerd, ao meu ver, é aquele cara apaixonado por algo, e que vai ateeeeeeeé aonde pode para aprender sobre aquele algo. Que tem sede de conhecimento, ou qualquer discurso bonito desses.

      Eu, por exemplo. Não me considero nem um pouco nerd (eu nunca disse qeu o era), o resto do mundo sim. E tudo porque eu sou um ávido apaixonado por conhecimento e eventual desprezador de eventos sociais.

      E obrigado pelo comentário, me abriu um sorriso de orelha a orelha óh.

      Responder
      • 4. Aa  |  Maio 12, 2010 às 6:33 pm

        Vale à pena comentar qdo o post é interessante ;)

    • 5. Gisele  |  Maio 13, 2010 às 4:36 pm

      NOSSA! Falou e disse.

      Sem mais.

      Ad.

      Responder
  • 6. The Head  |  Maio 12, 2010 às 12:20 pm

    Por um breve momento pensei que o Wood havia ressucitado…

    Responder
    • 7. gbatista  |  Maio 12, 2010 às 2:18 pm

      Procê ver, nem sempre eu escrevo um manual de como pegar mulher :D

      Responder
  • 8. Ryan  |  Maio 12, 2010 às 1:50 pm

    Parabéns, *****, conseguiu novamente! Hah!

    Mas sério… isso está tão certo que, por enquanto, não tenho nada a acrescentar. Só sei que isso necessita MESMO de divulgação. É um ótimo texto e creio que muita gente (pelo menos os que tem algo na cabeça) vai procurar mudar seus conceitos depois de lê-lo.

    Responder
  • 9. gbatista  |  Maio 12, 2010 às 2:18 pm

    Parabéns, você faz parte da imensa massa de manobra que é facilmente levada pela opinião alheia.

    poderia se dar ao trabalho de dizer o por que que não gostou? Mais especificamente e tudo o mais, para podermos iniciar uma discussão sólida ou prefere simplesmente trollar logo?

    Responder
  • 10. Loke  |  Maio 12, 2010 às 2:20 pm

    Vi um monte de mimimi mamãe quero ser diferente, mas entreteu.
    Foi um belo texto.

    Responder
    • 11. gbatista  |  Maio 12, 2010 às 3:04 pm

      não foi um “mimimimi mamãe quero ser diferente”

      foi um “mimimimi mamãe olha como eu sou diferente” :P

      Responder
      • 12. Loke  |  Maio 12, 2010 às 4:53 pm

        A linha entre ambos é tênue e muitas vezes inexistente.

  • 13. /taah  |  Maio 12, 2010 às 2:22 pm

    Eu já ouvi tanta bobagem por me considerar uma she-nerd D: Sério. Todo mundo me pergunta se li Harry Potter o/ HP é nerd? Desde quando?? õO

    Considero inteligência um poderoso afrodisíaco^^ Física adorável e os cálculos são lindos :)

    Vida longa e próspera aos nerds!

    Responder
    • 14. gbatista  |  Maio 12, 2010 às 2:36 pm

      É “nerd” pq é comercialmente viável colocar esse rótulo.
      Historicamente falando, para mim, é aquela novela dos vampiros purpirinados.

      Não sei quanto ao resto do mundo, mas eu considero qualquer forma de conhecimento algo lindo. Qualquer mesma, desde matemática até como dançar funk. Coisa que, álias, a maioria dos nerds deveriam querer aprender também. De um, tudo.

      Responder
  • 15. Ryan  |  Maio 12, 2010 às 4:35 pm

    Tive que deletar um comentário por que foi feito (acidentalmente) pelo perfil de uma empresa.

    Dai vieram falar comigo e tal…

    Responder
  • 17. Gisele  |  Maio 12, 2010 às 5:28 pm

    Você é chato, mas também, tanto faz. Então, não posso amar matemática ou física e pegar a Avenida Brasil todas as manhãs as 7h? que analogia foi essa?! Seu pensamento foi abrupto, incontrolável e irresponsável. Aprenda a controlar suas emoções e a organizar suas ideias, amigo.

    Responder
    • 18. gbatista  |  Maio 13, 2010 às 12:58 am

      Amiga, leia o texto direito.
      Com calma. Ambiente-se e imagine que existem um monte, mas um MOOONTE, de pseudo nerds, que simplesmente acham que o mundo é meramente gostar da série [insira aqui um seriado “nerd” qualquer], do filme [insira aqui um filme nerd qualquer] e do jogo [insira aqui.. ah, você entendeu, caralha].

      ISSO, pra mim, não é nerd.

      Nenhum problema de você gostar de física (LE.O.TEXTO.DIREITINHO.TEM.UM.PEDAÇO.ALI.QUE.DIZ.SOBRE.ISSO), tão pouco pegar um trânsito fodido (afinal, eu dirijo e sei o quanto é difícil pra caralho fugir disso…). Mas sim simplesmente se levar pela grande massa e fazer tudo o que todo mundo faz. O gado é tocado pra direita? Vamos todos pra direita. O gado passou a ser chamado de galinha? Vamos todos ciscar, bater asas e tentar botar ovos, ainda que sejamos BOVINOS, e o pior, MAMíFEROS. E querendo ser galináceos.

      Em base, esse texto foi feito para uma galera conhecida minha, que volta e meia aporta aqui e depois vem comentar comigo “poutz, me idenfiquei mto com seu texto rsrsrs como eu sou nerd TBBT POWER!”.

      E sim, o pensamento foi mesmo incontrolável, mas você LEU o texto? Tá BEM NO PRIMEIRO PARÁGRAFO:

      ‘E vamos com a acidez de sempre, que eu to num puta mal humor.
      Nada pessoal gente. É que eu odeio domingo mesmo. Pra mim é um dia morto, em que o bando de macaquinhos brasileiros só pensam em futebol, igreja e em especial, “fazer alguma coisa”. Nunca tem bosta nenhuma decente num dia desses.’

      Ou seja, o leitor foi previamente avisado que o texto estava feito sob forte emoção, e portanto, me isento das suas críticas.

      Sem mais delongas,

      Guilherme Batista

      Responder
      • 19. Gisele  |  Maio 13, 2010 às 4:28 pm

        Gui, a questão é que as situações descritas não foram novidades pra mim, o que me forçou a prestar muita atenção no ponto onde cita o pobre, incluindo a minha pessoa, como um idiota qualquer que pega trânsito. Por que?! eu dou um duro filho da puta pra trabalhar, estudar [faculdade que me insere bastante na sociedade] e coisas “nerds” em qualquer tempo que sobra. Infelizmente a sociedade esta hoje tão baixa, tão no fundo do poço que quem ao menos leu algo mais que um gibi ou propaganda de mercado com valor do nescau é sim considerado uma pessoa diferente, o termo nerd só foi vulgarizado e não perdido porque ainda existem nerds de verdade. Eu acho que você não tem o direito de usar toda a “lei de achismo” que a internet oferece pra ofender essas pessoas, mas também entendo que os nerds as vezes precisem ouvir algumas coisas dessa forma, como escreveu. Posso ter me precipitado, mas espero que entenda. E eu não somente gosto de física ou cálculos é muito maior do que “gostar”…

        Bem, taí. fikdik. Desculpa qualquer coisa e eu continuo te achando pentelho.

      • 20. Gisele  |  Maio 13, 2010 às 4:29 pm

        \/ o pobre trabalhador ou estagiário* esqueci de acrescentar ai embaixo.

  • 21. Ryan  |  Maio 12, 2010 às 5:48 pm

    “Ah, foi você então? :P”

    Eu fui o cara que foi alertado da merda que um nerd fez de comentar com o perfil da empresa.

    Responder
  • 22. Thiago  |  Maio 13, 2010 às 12:50 am

    Sinceramente…

    Antes de começar a destruir o castelo, defina o que é o castelo. E aí, depois que entendermos o que é o castelo e estejamos de acordo, venha tentar destruí-lo e eu verei o que tens a dizer.

    Responder
    • 23. gbatista  |  Maio 13, 2010 às 12:59 am

      O castelo = tudo aquilo que te define como nerd.

      Você gosta de filmes, seriados, desenhos, livros, vestimenta, tecnologia e qualquer outra coisa que receba o rótulo de nerd?
      Então você não é nerd.

      Simples assim. O texto é apenas uma extensão ácida disso.

      Responder
      • 24. Thiago  |  Maio 13, 2010 às 1:13 am

        Não, não foi isso que quis dizer com castelo. Eu quis dizer que você criou, obviamente, uma definição de nerd durante o texto, mas eu questiono ela mesma e por isso torno irrelevante toda a discussão sobre o conteúdo do texto.

        Você diz o que, nerd é aquele que é aficionado por conhecimento e nada mais? Um seriado/livro/jogo não é nerd só por que ele não te ensina nada, ou por que ele não tem conhecimento embutido ou o que…? Pois eu dou outra definição. Nerd é aquele que gosta de pensar a respeito das coisas que vê. Então, eu vejo um livro que tem grande margem pra pensamento e discussão. Ele em si pode não me ensinar nada, somente me apresentar uma trama interessante e difícil de compreender, complexa, mas incrivelmente plausível e bem-bolada. Eu posso não ter adquirido conhecimento bruto lendo o livro, mas eu digo que algo eu aprendi. Pode ser somente um livro de tema estúpido lindamente escrito. Eu já o consideraria como uma coisa nerd.

        Mas acho que o ponto do texto não foi bem incitar a raiva naqueles que realmente se sentiriam enfurecidos com o texto. Não é?

  • 25. Pulga  |  Maio 13, 2010 às 12:02 pm

    É o que o Aa disse, as pessoas consideram nerd como uma pessoa inteligente. Nem eu sei definir o que é um nerd. Apenas acho que estou mais chegado a este grupo por ter coisas em comum mas… Ah, não gosto de rotulos. Agora, só uma coisa a reclamar quanto ao post, que porra de comparação foi essa com os nordestinos carai? Eu sou um pqp. Mas não vamos discutir isso, e eu entendi o que você quis dizer, mesmo sendo uma pessima comparação e…

    Enfim, bom post Guilherme.

    Responder
    • 26. _g  |  Maio 13, 2010 às 12:10 pm

      É que, aqui em sp, e eu falo isso de tanto que observei, só o povo que migrou do nordeste, sem nenhum estudo, é que dá de cara com o obstáculo do “você não tem nem a 8ª série…”

      Aí nego resolve desistir de estudar (mesmo com trocentos avisos do governo e incentivo p/ o povo continuar estudando), vira pedreiro, camelo, faxineiro, zelador ou qq outra profissão que não pede muito estudo e resolve reclamar da vida bandida que a cidade dá.

      Álias, meu pai é assim, e ele é pernanbucano :P

      Responder
  • 27. gbatista  |  Maio 13, 2010 às 12:14 pm

    “Você diz o que, nerd é aquele que é aficionado por conhecimento e nada mais? Um seriado/livro/jogo não é nerd só por que ele não te ensina nada, ou por que ele não tem conhecimento embutido ou o que…?”
    Me fala aonde que um jogo estilo “GOD OF WAR” ensina algo realmente aproveitável.

    “Pois eu dou outra definição. Nerd é aquele que gosta de pensar a respeito das coisas que vê. ”
    Vou fazer de conta que você fez uma leitura dinamica do texto e só leu o que interessava, e ignorou essa parte aqui:
    Você não é nerd porque, pra começo de conversa, faz o que todo mundo do seu meio faz. Começe a pensar, e para isso eu recomendo estudar o básico da filosofia: QUES-TIO-NAR.
    Aí a gente conversa.

    Sem mais delongas.

    “Mas acho que o ponto do texto não foi bem incitar a raiva naqueles que realmente se sentiriam enfurecidos com o texto. Não é?”
    Na verdade foi.

    Responder
    • 28. Thiago  |  Maio 13, 2010 às 12:56 pm

      “Me fala aonde que um jogo estilo “GOD OF WAR” ensina algo realmente aproveitável.”
      Esse é o meu ponto! Como eu mesmo disse no comentário anterior:
      “Então, eu vejo um livro que tem grande margem pra pensamento e discussão. Ele em si pode não me ensinar nada, somente me apresentar uma trama interessante e difícil de compreender, complexa, mas incrivelmente plausível e bem-bolada. Eu posso não ter adquirido conhecimento bruto lendo o livro, mas eu digo que algo eu aprendi.”
      Não posso falar espeficamente de God of War ou de jogos no gênero porque eu mesmo não os jogo, mas é o exemplo do livro. Esse jogo pelo menos abre margem pra disucussão e pensamento, e não se forma simples “é um jogo idiota”. Até mesmo jogos sem nenhum conteúdo, por exemplo jogos estúpidos de luta, podem ser chamados de coisas nerds já que você gasta tempo entendendo a dinâmica dele, as combinações e os modos de se jogar. Você, como um nerd, ‘disseca’ o jogo da mesma forma que dissecaria algum outro problema não fútil.

      “Vou fazer de conta que você fez uma leitura dinamica do texto e só leu o que interessava, e ignorou essa parte aqui:
      Você não é nerd porque, pra começo de conversa, faz o que todo mundo do seu meio faz. Começe a pensar, e para isso eu recomendo estudar o básico da filosofia: QUES-TIO-NAR.
      Aí a gente conversa.”
      Ok, a massa de nerds estúpidos começa a reinar, sim, mas antes deles havia uma pequena massa de nerds questionadores, e eles sim que fundaram as coisas que hoje em dia são rotuladas nerds. Agora me irrita a sua suposição de que todos os nerds que aparecem por aí são só essa escória que segue os outros sem opinião ou pensamento.
      Eu quis dizer que as coisas que podem ser questionadas extensivamente, com êxito e prazer, são nerds. Ou algo do gênero. Ao final das contas nada é criado com a idéia de “isso vai ser uma coisa nerd”. Um livro/jogo/qualquer coisa é simplesmente criado, e então quando os reais nerds questionadores vêem essa criação e gostam aquela massa sem opinião logo se diz super fã da nova criação. Mas ainda hão sempre os nerds que não gostam da parada, os reais nerds pensadores, e aí existe a discussão entre esses e os que gostam.
      Meu ponto: Nada é, por si só, uma coisa nerd. As pessoas que fazem dela uma coisa nerd ou não. As pessoas, sim, não os reais e os fake nerds.
      Outro ponto é que hoje em dia as coisas fúteis podem acabar sendo nerds. É um tanto triste, sim, já que nos primórdios a mínima classe dos ‘nerds’ era só de pessoas com cultura. Mas é um ponto. Acho que você somente tava querendo dizer no texto que tudo isso que você mencionou é fútil e estúpido, e que um real nerd não deveria gostar de nada disso.

      Mas a discussão inteira, na íntegra, acabou sendo algo fútil! Ora pois, e por que qualquer um de nós deveria se preocupar com o que as coisas são rotuladas em? Ou no que a pessoa em si é rotulada como?


      E o seu último comentário me fez ver que estávamos falando de coisas completamente diferentes.
      Mas tudo bem, eu acho.

      Digo que não gostei do seu texto pela agressividade e falta de argumentação, mas pelo menos ele gerou algumas sub-discussões e tem seu valor por isso.

      Responder
      • 29. gbatista  |  Maio 13, 2010 às 1:27 pm

        É, você gasta tempo tentando entender a dinâmica do jogo, ou o objetivo de um autor, e depois aplica isso à sua vida?

        **barulhos de grilos**

        Pois é. Isso tudo é a mais pura futilidade. Tem lá seu objetivo de diversão, mas passa longe de realmente ser nerd. Até um mongol consegue entender, interpretar e digerir textos complexos, mas em que eles são úteis? Em porra nenhuma.

        No final, nenhum de nós deveria se preocupar com isso. Mas não me venha exigir tolerância de hipocrisia do pior tipo, aquele que a pessoa é hipócrita (por tentar ser algo qeu ela não é) e nem sabe disso.

  • 30. Pulga  |  Maio 13, 2010 às 1:17 pm

    OFF: Vocês podem continuar a discussão a vontade, só quero postar isso mesmo, hehe

    Responder
  • 31. Thiago  |  Maio 13, 2010 às 1:34 pm

    “É, você gasta tempo tentando entender a dinâmica do jogo, ou o objetivo de um autor, e depois aplica isso à sua vida?”

    Puxa! Poesia é fútil!

    Se a diferença das nossas opiniões diferir tanto, acho que não há o que ser discutido.

    “No final, nenhum de nós deveria se preocupar com isso. Mas não me venha exigir tolerância de hipocrisia do pior tipo, aquele que a pessoa é hipócrita (por tentar ser algo qeu ela não é) e nem sabe disso.”

    Realmente, nisso você tá coberto de razão.

    Responder
  • […] This post was mentioned on Twitter by Ryan V. Dacoregio. Ryan V. Dacoregio said: https://moviment0.wordpress.com/2010/05/12/destruindo-tudo-aquilo-que-te-define-como-nerd/ […]

    Responder
  • 33. gbatista  |  Maio 13, 2010 às 4:52 pm

    “Gui, a questão é que as situações descritas não foram novidades pra mim, o que me forçou a prestar muita atenção no ponto onde cita o pobre, incluindo a minha pessoa, como um idiota qualquer que pega trânsito. Por que?! ”

    A maioria, a grandessíma maioria dos pobres que eu conheço simplesmente são acomodados em suas sitações sociais.
    Meu pai, por exemplo. Senão fosse pela minha mãe, eu teria crescido em um barraco de pau-a-pique e dormido em rede.
    Se você se esforça para sair dessa situação, meus parabéns, você tem meu respeito profundo.

    “Infelizmente a sociedade esta hoje tão baixa, tão no fundo do poço que quem ao menos leu algo mais que um gibi ou propaganda de mercado com valor do nescau é sim considerado uma pessoa diferente, o termo nerd só foi vulgarizado e não perdido porque ainda existem nerds de verdade. ”
    Então. O que eu quis dizer aí, no texto, é justamente esse povo que vulgarizou o termo nerd, tomou emprestado para si, e acha que, sei lá, comer macrobiótica é nerd pra caralho

    “Eu acho que você não tem o direito de usar toda a “lei de achismo” que a internet oferece pra ofender essas pessoas, ”
    Depois da pornografia, a internet foi feita pra xingar geral :D

    “mas também entendo que os nerds as vezes precisem ouvir algumas coisas dessa forma, como escreveu. ”
    Oras, obrigado :)

    “Posso ter me precipitado, mas espero que entenda. E eu não somente gosto de física ou cálculos é muito maior do que “gostar”…”
    Entendi sim.

    “Bem, taí. fikdik. Desculpa qualquer coisa e eu continuo te achando pentelho.”
    Minha mãe acha isso desde 1986 :(

    Responder
  • 34. Beatriz Silva  |  Maio 14, 2010 às 3:05 pm

    Bem, nerds não existem!
    Do mesmo jeito que roqueiros não existem, góticos tambem não, vampiros menos ainda e por ai vai.
    Sabe o que existe? Pessoas! Isso é real!
    Agora essas rotulações, são impostas pela mediocre sociedade.
    me diga, ser nerd, roqueiro, vampiro, ou seja lá o que te rotulam, vai te ajudar a ser alguem daqui uns anos? Não, não vai! Rotulações são coisas que os adolescentes colocam nas pessoas, para as diminuir, só isso.
    Alias, eles sempre conseguem…

    Responder
  • 35. Ryan  |  Maio 14, 2010 às 9:44 pm

    “Rotulações são coisas que os adolescentes colocam nas pessoas, para as diminuir, só isso.”

    Na verdade rotulações são coisas que os adolescentes colocam em si mesmos para se aumentarem, pois estão desesperados por uma identidade, bem como o Aa falou.

    Responder
  • 36. Beatriz Silva  |  Maio 15, 2010 às 12:15 am

    Tambem, não deixa de estar certo.
    Como eu disse, não existem nerds, roqueiros, ou vampiros, e sim, pessoas com rótulos.
    Acho que rótulos só deveriam ser postos em embalagens, em produtos.

    Responder
    • 37. gbatista  |  Maio 15, 2010 às 8:30 pm

      Ué, o ser humano faz rotulações e classificações desde que descobriu que bastava dar uma tacapada na cabeça feminina para reproduzir.

      Quer um exemplo básico? “Presidente da República”. Nada mais é do que um rótulo. Mas um rótulo que te dá poder para mandar todo mundo no país ficar de boca fechada.

      Responder
  • 38. Jonathan Linguini (o ZzzZ)  |  Maio 15, 2010 às 5:32 pm

    texto feito com base em uma definição de nerd, sendo que as definições pops são muitas, e não há nenhuma de fato verdadeira, portanto, SIM, pra se falar do termo é necessário se analizar as mais tradicionais.(seja elas, a inteligência, o gosto por coisas underground, seja conhecimento geral ou cultura, inabilidade social e contestação das “leis sociais”, “gosto esquisito” entre outras coisas)

    no mais eu concordo com o texto, TBBT não é nerd, não é necessário ser nerd pra gostar, RPG em si também não é nerd, Games também e etc.. nerd não é o que você faz, é acima de tudo questão de comportamento e personalidade, e o melhor, ninguém é “melhor” ou mais inteligente do que ninguem por ser considerado nerd.

    realmente hoje querem transformar nerd em uma coisa boa, principalmente pra essa geração que nasceu no fim dos anos 80 e anos 90(a minha), mas não adianta, aos olhos da maioria das pessoas isso NÃO É bom e não deve ser também, não quero que me achem melhor por ser nerd, só quero que me achem quem eu sou e apenas isso.

    e antes de dizer que nerd é só quem é inteligente, deve-se considerar que há várias formas de inteligência, e nem 40% são “admiradas” pelas pessoas, e nem podem ser provadas por aí, um cara pode ser um baita artista, mas não sacar nada de cálculos, e aí? ele não é inteligente?

    no mais o GBatista tenta demonstrar todo o seu lado burguesinho até onde não tem como. é engraçado, não no bom sentido.

    Responder
    • 39. gbatista  |  Maio 15, 2010 às 8:23 pm

      “no mais o GBatista tenta demonstrar todo o seu lado burguesinho até onde não tem como. é engraçado, não no bom sentido.”

      Eu acho que você falou uma besteira sem tamanho, enorme e extremamente ofensiva, não apenas para mim, mas para todos que simplesmente lutam todos os dias contra as condições nas quais nasceram.

      Burgues é quem é acomodado. Eu só vou ser isso quando tiver um piloto particular de helicóptero.

      Responder
      • 40. Jonathan Linguini (o ZzzZ)  |  Maio 15, 2010 às 9:25 pm

        eu disse “burguesinho” no lado zoativo da coisa, do tipo -“ah, cês nem tem um PS3 seus pobres” – “é que não sou burguesinho que nem você”, sacou?

        é uma crítica ao que geralmente você diz :você só presta se tiver um carro, caso não você é uma má pessoa, você só vai conseguir uma namorada se tiver dinheiro, se vestir como as pessoas consideram se vertir bem(e gastar muito dinheiro com isso).. se você vai pra faculdade de ônibus você é um merda, e etc..

      • 41. gbatista  |  Maio 16, 2010 às 9:43 pm

        é uma crítica ao que geralmente você diz :você só presta se tiver um carro, caso não você é uma má pessoa,
        Eu nunca disse que se você não tiver carro você é um imprestável inútil.

        Afinal de contas, ainda existem jatinhos particulares, helicópteros e jet-skys.

        você só vai conseguir uma namorada se tiver dinheiro, se vestir como as pessoas consideram se vertir bem(e gastar muito dinheiro com isso)..
        O nome disso é “facilitador”, imbecil. É o tipo de coisa básica para evitar 90% das brigas comuns em um relacionamento (que quase sempre são relacionadas a dinheiro / outras mulheres).
        Ou você prefere levar sua namorada para trepar em um motel de ÔNIBUS ou METRÔ? Ou ainda, gosta de andar igual um jeca, para fazer sua namorada sentir vergonha de não poder falar bem das suas roupas pras amigas?

        Faz um favor vai, no dia que você realmente entender de mulher a gente discute isso.

        se você vai pra faculdade de ônibus você é um merda, e etc..
        Tá. Faz assim então champs: trabalha na zona sul de SP e faz facul na zona oeste. Inclua aí o tempo de aproximadamente 2h. p/ atravessar a cidade (por culpa do trânsito), tendo suas aulas começando às 7 e você saindo às 6.

        Como a maioria dos estudantes universitários desse país, eu fiz a faculdade enquanto trabalhava e tive essa rotina ai por pelo menos 2 anos (por que os outros anos eu simplesmente taquei o foda-se e passei a pegar o táxi da empresa pra isso). Um carro teria me livrado a cara em muuuita coisa nessa época, oras.

      • 42. Jonathan Linguini (o ZzzZ)  |  Maio 17, 2010 às 1:30 pm

        “O nome disso é “facilitador”, imbecil.”

        acho que você não me entendeu, não estou dizendo que não pretendo ter bens materiais ou eles não valem nada

        você mesmo questiona que “você não é no que você trabalha”, eu só digo quase o mesmo “você não é o que você tem”.

        “Faz um favor vai, no dia que você realmente entender de mulher a gente discute isso.”

        parabéns pela pretensão, mas como sou diferente de você e conhecendo sua personalidade eu diria que nunca saberei tão bem de mulher segundo sua ótica ao menos que concorde com tudo o que você diz, então não vou perder mais tempo discutindo.

  • 43. Beatriz Silva  |  Maio 16, 2010 às 2:31 am

    Concordo com o Jhonatan, e ryan, existem rotulos e coisas que as pessoas realmente sãp, tipo, professor não é rótulo! e presidente da republica tbm naum eh rotulo!
    Eles realmente são isso!

    Responder
    • 44. gbatista  |  Maio 16, 2010 às 9:52 pm

      E desde quando a PROFISSÃO define QUEM a pessoa é, minha cara?

      Lembrando um antigo diálogo que tive com minha namorada:
      “-Quem é você?
      -Ué, sou o Guilherme, seu namorado, e atual programador da XXXX
      -Eu perguntei quem é você enquanto gente, e não o que você faz”

      Quer outro exemplo simples? Idade Média. Época das trevas e tudo o mais. Os feudos andavam com uma tremenda revolução produtiva, nego andava querendo inventar o sindicato p/ ganhar mais ouro (ou pagar menos tributos ao rei…). Que os reis espertinhos fizeram?
      Atribuíram títulos pomposos de “Senhor do Tomate” e “Lorde das Alfaces” pro povão, nego ficou feliz com tal rotulação e passou a seguir em frente.

      Quer algo BEEEEEM mais simples? Cachorros. São chamados de “cachorros” ou “cães” porque os rotulamos assim. Mas quem diabos os humanos pensam que são para chamar os seres caninos, derivados dos mesmos ancestrais do gato e da LONTRA, de “CACHORRO”? E, álias, o cachorro nem sabe que ele é um cachorro; ele apenas é.

      Quer algo que vai servir de tapa para todo mundo que se diz “não existem rótulos”?
      Teu nome. Para a espécie dominante do planeta (insetos), você não passa de um pedrador (assim como um pássaro também), mas para a sua espécie você tem um “rótulo” que te distingue dos demais.

      Em suma, rotular é algo meramente humano, plenamente aceitável e completamente normal. Entender isso, e entender o que diabos um rótulo quer dizer, é uma das chaves para o sucesso e a realização pessoal.

      Responder
  • 45. Ryan  |  Maio 17, 2010 às 2:44 pm

    “ryan, existem rotulos e coisas que as pessoas realmente sãp, tipo, professor não é rótulo! e presidente da republica tbm naum eh rotulo!
    Eles realmente são isso!”

    Um adolescente precisa de uma turminha e não sabe o que fazer, então começa a regurgitar coisas de “roqueiro” na internet só por que sabe que funciona e…

    Ele realmente sabe do que está falando?

    Existem crianças desesperadas por identidades que ficam procurando isso o tempo todo. Normal. O problema é quando a reação a essa necessidade se torna estúpida.

    Responder
  • 46. Beatriz Silva  |  Maio 17, 2010 às 3:54 pm

    Bem, Gbatista é o dono da verdade!
    e eu nunca disse que profissão define alguem!
    e Ryan
    Sabe o que é mais legal disso tudo, das pessoas procurarem grupinhos, é quando elas percebem que são inuteis, e nunca vão conseguir se encaixar em grupo algum, ai elas se matam e fim da história.
    E ninguem vai descobrir sua identidade tentando ser um roqueiro ou um punk.

    ah, nome que eu saiba não é rótulo, é apenas algo pra “distinguir” vc de outra pessoa, e Gbatista cachorros e gatos não são a mesma coisa, cachorro é o nome popular do cannis familiares e etc…

    Responder
    • 47. gbatista  |  Maio 17, 2010 às 4:05 pm

      ah, nome que eu saiba não é rótulo, é apenas algo pra “distinguir” vc de outra pessoa,

      E rótulos servem para que mesmo? Para distinguir você de outras pessoas e transmitirem informações a seus respeito, certo? O nome é faz a mesma coisa: dintingue você de outra pessoa e, em algumas culturas, até diz de onde você veio, a que berço pertence e nego for esperto, até seu nível escolar.

      e Gbatista cachorros e gatos não são a mesma coisa, cachorro é o nome popular do cannis familiares e etc…
      A pergunta é: cachorros SABEM que eles são cachorros? Não, certo? “Cachorro” é uma rotulação (olha os rótulos aí de novo…) que damos para seres com 4 patas, focinho e características de companheirismo, colocados em uma “família” que nós imaginamos.
      Para os cachorros, a única coisa que dintingue um humano do outro, e até entre eles, é o cheiro. E eles convivem perfeitamente bem com esse tipo de “rotulação” sem sequer entrar em crise de identidade e acharem que são borboletas.

      Responder
  • 48. Beatriz Silva  |  Maio 17, 2010 às 4:08 pm

    Eu nunca disse que rótulos não existem literalmente, eu disse que os termos usados não existem,[apenas não fui clara], como nerd por exemplo, ser julgado como nerd ou não, não vai fazer de vc alguem lá na frente!

    Responder
  • 49. Ryan  |  Maio 17, 2010 às 4:14 pm

    “Eu nunca disse que rótulos não existem literalmente”

    Rótulos servem para “classificar”. Há quem use dessas classificações para tentar diminuir o outro, há quem use dessas classificações para tentar “se encaixar”. Há quem faça os dois e há quem não faça nenhum deles, exatamente.

    “eu disse que os termos usados não existem,[apenas não fui clara], como nerd por exemplo, ser julgado como nerd ou não, não vai fazer de vc alguem lá na frente!”

    É o seguinte.
    Tem muita gente que acha que só por que possui um pouquinho mais de bagagem cultural e daí é “NERD”. E desse pessoal, existe uma grande parcela que acha que ser chamado de “NERD” é grande coisa.

    Por outro lado tem gente que não sabe do que está falando, não sabe o que o termo “nerd” é algo incompleto, porcamente construído e interpretado de diversas maneiras por várias correntes de pensamento (o que geralmente causa discordância) e mesmo com todos esses fatores, adora vomitar por aí que é Nerd só por que assiste uma série ou duas.

    Responder
  • 50. gbatista  |  Maio 17, 2010 às 4:24 pm

    Eu nunca disse que rótulos não existem literalmente, eu disse que os termos usados não existem

    Se eles não existem, como diabos você os usou?

    Criou alguma coisa do zero e saiu usando foi?

    Responder
  • 51. Beatriz Silva  |  Maio 17, 2010 às 4:30 pm

    “É o seguinte.
    Tem muita gente que acha que só por que possui um pouquinho mais de bagagem cultural e daí é “NERD”. E desse pessoal, existe uma grande parcela que acha que ser chamado de “NERD” é grande coisa.

    Por outro lado tem gente que não sabe do que está falando, não sabe o que o termo “nerd” é algo incompleto, porcamente construído e interpretado de diversas maneiras por várias correntes de pensamento (o que geralmente causa discordância) e mesmo com todos esses fatores, adora vomitar por aí que é Nerd só por que assiste uma série ou duas.”

    Era mais ou menos nisso que eu queria chegar!
    Todo mundo tem uma visão das coisas, e por isso ocorrem brigas, e blah blah blah.

    Nada hoje em dia tem uma definição correta.
    vc joga um rótulo e cada um o critica como acha de deve ser.

    Responder
  • 52. Beatriz Silva  |  Maio 17, 2010 às 4:32 pm

    unrrum
    eu inventei
    com ajuda do meu amigo imaginário!
    Aff! ¬¬

    Responder
  • 53. Ryan  |  Maio 17, 2010 às 4:40 pm

    “Era mais ou menos nisso que eu queria chegar!
    Todo mundo tem uma visão das coisas, e por isso ocorrem brigas, e blah blah blah.”

    Acontece que o “todo mundo tem uma visão das coisas” nem sempre se baseia em uma análise apurada.

    Eu gosto quando alguem discorda de mim com base em um raciocínio. Por exemplo os conceitos de “bom ou mau”: eles variam de acordo com as coisas que as pessoas sofreram ao longo da vida. Muita gente tem um conceito de “bomXmau” diferente do meu, mas viveram coisas que eu não viví. Em relação a isso eu só posso tentar compreender (tentar me colocar no lugar delas) e respeitar, pois não posso ir contra algo formado por situações que eu não viví.

    Com essa coisa toda de nerd ocorre parecido. São opiniões diferentes? São sim, mas muitas delas não são fundamentadas em nenhum raciocínio lógico ou experiência de vida. Muitas crianças se dizem nerd só por que acham bonitinho ou por motivos completamente absurdos e simplistas (“eu sou nerd por que gosto de star wars e você não!”) e outros argumentos infantis.

    Mas agora que chegamos ao ponto onde VOCÊ QUERIA CHEGAR, eu faço uma pergunta que cabe aqui: Chegamos aqui, e agora, o que você vai dizer? o que você tem pra falar? “Existem varios pontos de vista e isso gera briga…” e…? E…?

    “Nada hoje em dia tem uma definição correta.
    vc joga um rótulo e cada um o critica como acha de deve ser”

    Nada nunca teve uma definição correta. Nada!

    Certas espécies animais já foram re-colocadas em classificações. Um animal que antes era considerado um Urso passou para a família dos guaxinins.
    É exatamente pelo fato de nada na natureza ou na sociedade vir previamente entiquetado por algum Deus ou coisa parecida que as pessoas criam esses rótulos.

    A questão desse texto é que esses rótulos são mal utilizados, como eu já expliquei nesse meu comentário que estou escrevendo. Muitas pessoas se dizem isso ou aquilo só por que acham “legalzinho”, mas não pensam verdadeiramente sobre o assunto.

    É muito fácil dizer “eu sou nerd” só por que lê Homem Aranha.

    Responder
    • 54. Jonathan Linguini  |  Maio 17, 2010 às 6:51 pm

      Ryan, pelo o qu eeu entendi ela quer dizer que há muitas definições de nerds, e essas várias definições tem um grupo grande de pessoas que aceitam, você pode sim ser chamado de nerd só por gostar de ficção científica, porque há uma opnião generalizada que considera isso coisa de nerd, não só isso mas várias outras coisas, desde comportamento estranho até a capacidade intelectual.

      há coisas que tem uma definição mais exata, o termo “nerd” tem muitas.

      Responder
  • 55. Beatriz Silva  |  Maio 17, 2010 às 7:22 pm

    Nossa, agora estou errada em concordar?!
    E sim, o que é bom pra vc é ruim pra mim e etc…
    Dai vamos continuar a discutir a vida toda, mil anos e ainda estaremos discutindo nossas diferenças…
    tedioso isso.

    Simples, hoje em dia, tudo é modinha, emo é modinha, nerd é modinha, roqueiro é modinha e por ai vai… muda alguma coisa na minha vida??? Nom! Vou morrer porq alguem sem fundamento nenhum, sem conhecimento nenhum do que fala, esta me rotulando? Nom!

    Eu conheço um cara que se diz satanista, mas estava la na igreja domingo, só faltava cantar os louvores, satanistas nunca entrariam em uma igreja… alias, entrariam sim, hoje em dia, ninguem é o que diz ser. Posso estar errada tambe, visões e conhecimentos totalmente diferentes.

    Responder
  • 56. Ryan  |  Maio 17, 2010 às 10:57 pm

    “Nossa, agora estou errada em concordar?!”

    Você quer dizer “discordar”, não?
    E não, você não está errada em discordar. Você só estaria errada em discordar se encontrássemos alguma evidencia de que você argumenta sem pensar, como uma jovenzinha louca e desesperada.

    Você é uma jovenzinha louca e desesperada?

    “E sim, o que é bom pra vc é ruim pra mim e etc…
    Dai vamos continuar a discutir a vida toda, mil anos e ainda estaremos discutindo nossas diferenças…
    tedioso isso”

    Diferenças são discutidas há muito tempo e serão discutidas até o final dos tempos, mas não é esse o mérito da questão.

    O mérito da questão é a imaturidade de várias pessoas (na sua maioria jovenzinhos) que, por causa dessas diferenças, agem de maneira estúpida e dizem ser o que não são, por uma grande necessidade de aceitação ou simples ingenuidade. Sim, ingenuidade, por que existe uma rapaziada por aí que age de maneira ridícula por ingenuidade, por que não percebem o que estão fazendo. Como… jovenzinhas loucas desesperadas.

    “Simples, hoje em dia, tudo é modinha, emo é modinha, nerd é modinha, roqueiro é modinha e por ai vai… muda alguma coisa na minha vida???”

    A palavra “modinha” é geralmente utilizada como uma alternativa à frase “tendência social desagradável”. Temos a palavra “social” aí. As pessoas fazem parte da sociedade onde ocorre toda essa bagunça.

    Essas pessoas formam grupos, geram cultura e são, de uma certa forma, formadores de opinião. Opinião gera atitude que gera ação que define o resultado. O fato de existir uma grande quantidade de jovenzinhos bobões falando o que não sabem SEM PARAR PRA PENSAR…!

    É uma questão relevante.

    “Nom! Vou morrer porq alguem sem fundamento nenhum, sem conhecimento nenhum do que fala, esta me rotulando? Nom!”

    O ponto-chave aqui não é alguém te rotular, é alguem SE rotular. Achar que é o que não é e cuspir isso aos quatro ventos.

    “Eu conheço um cara que se diz satanista, mas estava la na igreja domingo, só faltava cantar os louvores”

    Existe uma gíria pra isso. “Poser”. É isso o que ele é, um p#ta poser. Uma tradução para isso poderia ser “hipócrita”. Um hipócrita que quer aparecer. Ele acha cool e legalzinho e “dá pra pegar mulér” dizer ser essas coisas, que muito provavelmente não é.

    Esse sujeito não é um satanista nem um cristão, não tem nervos nem para assumsir uma coisa nem outra! Em resumo: é um mole!

    Mole como esses jovenzinhos, que se agarram com todas as forças a um ídolo ou a um conceito (no caso do post, o conceito do “nerd”), por alguma necessidade não saciada, e acaba agindo de maneira estúpida por causa disso.

    Por que hipocrisia é SIM uma coisa estúpida. Ou será que ele é só ingênuo?

    Não que eu seja a favor do satanismo, pelo amor de Deus, foi FORÇA DE EXPRESSÃO.

    “satanistas nunca entrariam em uma igreja… alias, entrariam sim, hoje em dia, ninguem é o que diz ser”

    ESSE é o ponto-chave! Lembra de quando eu falei que não é questão de uma pessoa rotular a outra e sim questão de ver pessoas “se rotulando” sem nenhuma base satisfatória?

    Você acha MESMO que esse sujeito pode ser chamado de satanista, quando só falta cantar louvores? Acha que ele pode ser chamado de cristão, quando se proclama satanista? Tem algo errado aí! Tem uma bela de uma contradição aí!

    E eu vou repetir uma pergunta que eu fiz em outro comentário. Você disse que eu havia chegado ao ponto que você queria, e então disse o seguinte: “Existem varios pontos de vista e isso gera briga…”

    Ok, continue a frase. “Existem varios pontos de vista e isso gera briga…” e…? E…? E…? Sim, isso gera discussão, fato!

    A sociedade é feita de pontos de vista, afinal! E se eles não forem discutidos, nada se decide, se nada se decide, nada se encaminha. Se nada se encaminha, nada é feito e sem ação há “ausência”, há “falta de movimento”, há “entropia”, “congelamento”.

    Nada muito legal. A discussão É necessária.

    Responder
  • 57. gbatista  |  Maio 18, 2010 às 12:11 am

    Só um esclarecimento aqui:

    “Eu conheço um cara que se diz satanista, mas estava la na igreja domingo, só faltava cantar os louvores”

    Então, satanistas, SATANISTAS mesmo, não são necessariamente avessos a igreja católica (começando por adorar um ser que foi criado a partir dela, talvez?), exatamente como podemos ver aqui:

    aqui óh!

    A regra principal dos satanistas é: “se funciona para você, ótimo”.

    (CLARO que eu não estou considerando que seu amigo seja um hipócrita de merda, só clareando um ponto raramente difundido e tremendamente injustiçado. E não, eu não sou satanista)

    Responder
  • 58. gbatista  |  Maio 18, 2010 às 12:16 am

    55 comentários e aumentando.

    Epic comment win is very fuckin’ epic.

    Responder
  • 59. Beatriz Silva  |  Maio 18, 2010 às 12:19 am

    eeeeee isso gera briga e violencia. Sei porque na minha sala há isso. Pessoas discordam e saem no tapa ¬¬’ [primatas].
    Discutir sobre algo é bom, é legal, as veses eu não gosto porque não gosto de discordem de mim, mas, mostrando boas opiniões, eu aceito numa boa.

    Dependendo da sociedade a qual vc convive, no meu caso, eu não perco tempo discutindo coisas com meus “amigos” pois sei que nada será feito, e tudo oq eu fizer será boicotado, ou julgado e etc.
    Infelismente os jovens se auto rotulam mas nem sabem o que realmente é o que estão fazendo.
    Sim o cara que eu falei é um merdiiinha, um poser!
    E nada contra satanistas, eu gosto deles. Mas saiba oq vc esta fazendo e onde esta se enfiando.
    Satanismo não é brincadeira, é algo sério. Como qualquer outra comunidade religiosa.
    Quer se rotular como satanista, ok! Mas encare as “consequencias”.

    Responder
  • 60. Ryan  |  Maio 18, 2010 às 12:27 am

    Então, discutir só é legal se não sai do mundo das idéias.
    Se parte pro mundo das porradas, daí pega mal. =P

    Mas ninguem perde tempo ao debater assuntos importantes/interessantes. E… você disse que “nada será feito”. Bom, isso nos leva à velha questão do “alguem tem que fazer alguma coisa”.

    Esse blog foi criado para tentarmos fazer a nossa parte culturalmente e… aliás, é disso que o post se trata. E o blog. “Movimento”. Estamos nos movendo. Estamos fazendo algo.

    Acho que ficou piegas mas é isso aí. Acredito que a discussão tenha sido encerrada. Gbatista, o que acha?

    Responder
    • 61. gbatista  |  Maio 20, 2010 às 12:47 pm

      Acho que levando em conta o coeficiente do quadrado da hipotenusa, vocês estavam prestes a entrar em uma discussão teletubiana circular

      Ou seja, caso encerrado. Vou dar atenção pra Thamires agora, qeu além de ser inteligente, com um nome desses demonstra ser bonitinha e altamente pegável.

      Responder
  • 62. Thah  |  Maio 20, 2010 às 12:04 am

    hmmm então,
    Primeira impressão: foda! deu vontade de esfregar na cara de alguns por aqui q se entopem de conhecimento do tipo: “como aprender senegalês em uma semana!” sem utilidade alguma, sem motivo algum, e se acham “Os” superiores pq “eu sei senegalês, vc não? tsc tsc tsc.
    Segunda impressão: vc criou o termo nerd? alguem da sua familia? algum conhecido? rapaz, assim como a insdustria tenta manipular tudo o q vê e q gera lucros (ou não), o q vc fez foi tentar manipular a ideia do que não é nerd. Tudo bem q eu concordo com parte do q foi dito, existe sim um exagero, uma aglomeração de títulos/rótulos nessa história toda (ver Tv é normal, se fosse assim, todo mundo seria considerado nerd por acompanhar alguma novela por exemplo), mas ninguem tem o direito de dizer o que é ou não nerd. eu por exemplo, nerd qnd eu estudava no fundamental, era aquele ser que tirava notas altas e era introvertido, ponto final. Ah, e sim, eles já jogavam video games, e coisas do tipo, lembra: eles não tinham amigos! a-ha!
    Terceira impressão: discussões são boas, ótimas, realmente mas, o que pode ser tirado desses cinquenta e poucos comentários? q todos pensamos diferentes? U-A-U! que descoberta! discussões sem resultados servem tanto quanto papel higienico. Tah, vc quase se estapiou com algm e não se chegou a nenhuma conclusão… bacana… hmmm… e daí?
    Quarta impressão: se eu concordo tomo ferro, se discordo vcs arrancam meu coro fora? Pô, legal, cheguei, li, gostei, vou escrever a respeito mas, escrever o que? !(lampada!) : vou criticar a sociedade! yes! … hmmm… Vc se tornou algm melhor por isso? vc é um cidadão exemplo por um acaso? vc já era nascido qnd o primeiro primata fingido a besta pateu o tacape na cabeça da primata? vc tenta mudar a porra da sociedade na qual vivemos? Falar é bom, mas falar pro vento é burrice!!! Se o propósito é mudar a sociedade, e isso inclui uma gama de caminhos a serem seguidos, falar apenas não vai adiantar, sinto lhes informar.

    Enfim, minhas opniões. fora isso, bacana o texto, bom msm, vc seria um ótimo palestrante. momento tiete: “aaaaah, sou sua fã!!!”

    “Esse blog foi criado para tentarmos fazer a nossa parte culturalmente e… aliás, é disso que o post se trata. E o blog. “Movimento”. Estamos nos movendo. Estamos fazendo algo. ”
    Duas perguntas: o que vocês estão fazendo? Criando discussões sem conclusões? hmmm

    na parte do “algm tem q fazer algo”, rapaz, levanda a bunda do pc e vá ajudar uma velhinha a atravessar a rua ou coisa do tipo.

    Responder
  • 63. Beatriz Silva  |  Maio 20, 2010 às 3:00 pm

    Olha Gbatista achou alguem a altura.

    Responder
    • 64. gbatista  |  Maio 20, 2010 às 3:08 pm

      Achei, e mandei email replicando os comentários dela

      Responder
  • 65. Ariane  |  Maio 20, 2010 às 11:51 pm

    Meh.

    Continuem inflando.
    Ele nunca estoura.

    FikDik

    ;-)

    Responder
    • 66. gbatista  |  Maio 21, 2010 às 12:29 am

      Morzinho lindo da minha vida, você sabe que meu ego estoura fácil.

      É só dizer “PRETO” igual você fala, meu ego estoura e eu fico tímido ;~

      Responder
  • 67. o Horla  |  Maio 23, 2010 às 11:56 am

    Até hoje não tinha tido interesse em ler esse artigo e… CARALHO PERDI O DEBATE! :/

    Enfim, concordo com muitas coisas escritas no post inicial. Tem gente que se acha nerd até por jogar Jokenpo! xD

    O nerd clássico é um sujeito que desenvolve muito mais (talvez APENAS) habilidades para exatas do que para humanas. É muito mais fácil lidar com números do que com pessoas. Daí que o nerd atua em áreas como computação, física ou engenharia. Há pouquíssimas pessoas desse tipo no mundo, e não vejo muito há se orgulhar em ser um deles.

    A idéia moderna de nerd, o que gosta de animes, RPG, HQ, etc., foi forjada pela mídia, assim como vários outros estereótipos. É muito mais fácil manipular e as pessoas se agrupá-las e rotula-las em grupos homogêneos. Também é muito mais fácil vender algo para grupos homogêneos, basta, nesse caso especifica, anunciar algo como sendo “para nerds”.

    Um bom exemplo disso foi a ultima Virada Cultural em sampa. Muitos “nerds” compareceram à Pr. Roosevelt porque foi anunciado como “evento para nerd”, poucos prestigiaram outras atrações.

    O que faz as pessoas buscar identidade em grupo, eu não sei, mas assim como todo estereótipo, acho que esse neo-nerd não seria o suficiente para definir uma pessoa. Pessoas são muito complexas para se definir com um simples rótulo. Pelo menos a maioria…

    Responder
  • 68. Pulga  |  Maio 23, 2010 às 6:48 pm

    Putz, acho que esse tema dava um LONGO podcast , UAHEUAHEUAHEUAHEUA

    Responder
    • 69. Jonathan Linguini  |  Maio 25, 2010 às 1:46 pm

      mas me chama pressa merda dessa vez Pulga, por favor, até porque pode acontecer de todo mundo concordar com o GBatista e o podcast não ter discussão nenhuma. hehehehheheh

      Responder
  • 70. T.  |  Maio 23, 2010 às 8:24 pm

    Me incomodam muito esses comentários alegando que discussão não leva à nada. (Acredito que seja mimi dessas pessoas para não discordarem com suas opiniões)
    Discussão é a consideração e examinação de argumentos, a exploração de soluções, um modo de fortalecer suas opiniões (tanto para si mesmo quanto para os outros).
    Então como podem considerar inútil qualquer tipo de discussão? Pode chegar a ser inapropriado, sim, mas quer um lugar melhor que um blog com o intuito de movimentar as pessoas?

    Enfim, acho a idéia do blog boa e espero que realmente apresente assuntos interessantes e que provoquem discussões.

    Responder
  • 71. Beatriz Silva  |  Maio 24, 2010 às 3:07 pm

    Concordo com vc Pulga! Um Looooogo podcast!
    Alias, eureka!
    Porque vc não faz um Pó de Quest sobre esse assunto hein?

    E vamo que vamo com os comentarios!
    hehehehe

    Responder
  • 72. gbatista  |  Maio 24, 2010 às 3:10 pm

    WOW.

    Criei um monstro e não sabia.

    Responder
  • 73. Ryan  |  Maio 24, 2010 às 4:48 pm

    To com preguiça pra procurar, mas alguem aí falou que estamos sendo inúteis e fazendo discussão sem resultados.

    WTF!?

    Como disse um filósofo lá que eu não lembro o nome e to sem saco de ir no wikipedia procurar: não se banha duas vezes no mesmo rio. Primeiro, por que você já não é a mesma pessoa que tomou banho no rio pela primeira vez, segundo por que o rio já é outro.

    Pra bom entendedor, meia palavra basta. A discussão É importante e é efetiva. Como disse um professor meu: “se UMA pessoa levar algo do que eu disse adiante, meu trabalho estará feito”.

    Não menospreze a troca de idéias ela tem SIM resultados ;)

    Responder
  • 74. Beatriz Silva  |  Maio 24, 2010 às 4:59 pm

    Eu não sei aonde o (a) T, leu que alguem disse que discussões não levama nada, geralmente levam a brigas, mas sim, tem bom resultado.

    G. Parabéns pela sua criação! Um monstro sempre gera outro.
    Explendido!

    Responder
  • 75. Ryan  |  Maio 24, 2010 às 5:15 pm

    Discussões podem levar a briga, mas não levam APENAS a briga. Isso é simplista demais.

    Discussões com mente aberta podem evitar briga também. Se bem que não é esse o caso, né, afinal de contas o assunto “nerd” nunca que sairia do papel, e é estúpida a idéia de alguem realmente “brigar” por isso.

    Podem ocorrer, sim, discussões acaloradas demais, com gente perdendo a paciência e ofendendo uns aos outros. Só que daí já é tolice.

    Responder
  • 76. Beatriz Silva  |  Maio 24, 2010 às 5:22 pm

    a meu caro, eu naum duvido de mais nada nesse mundo.
    Depois que eu vi um politico insultando o outro usando as palavras “Vossa Exelencia” meu dels, axo ki tudo seja possivel no mundo! E alias, as pessoas ja nascem com uma certa tendencia a violencia, mas acho que não seja nosso caso, tanto porque moramos longe um do outro, o que ja evita o contato fisico! [oq é obvio]

    Responder
  • 77. Ryan  |  Maio 24, 2010 às 5:29 pm

    “a meu caro, eu naum duvido de mais nada nesse mundo”

    Eu também não.

    “Depois que eu vi um politico insultando o outro usando as palavras “Vossa Exelencia” meu dels, axo ki tudo seja possivel no mundo!”

    Eu também acho.

    “E alias, as pessoas ja nascem com uma certa tendencia a violencia, mas acho que não seja nosso caso, tanto porque moramos longe um do outro, o que ja evita o contato fisico! [oq é obvio]”

    Eu tô tentando entender isso…
    Não, calma, pera aí.
    É, eu não entendí. Explica de novo.

    Responder
  • 78. Beatriz Silva  |  Maio 24, 2010 às 5:36 pm

    Pouts, to sem a opção do paint aqui …
    Brinks’
    caso as discussões aqui levem a brigas, vai ficar nisso mesmo, ninguem aqui vai sair no tapa.
    tendeu agora?
    mais informações no meu e-mail

    Responder
  • 79. gbatista  |  Maio 24, 2010 às 5:43 pm

    Eu acho que a bia qeur dar e o ryan é o macho alpha mais disponível pra tal tarefa.

    Eu pago um motel pra vocês dois e a discussão termina aqui. Próximo.

    Responder
  • 80. Beatriz Silva  |  Maio 24, 2010 às 5:45 pm

    Ri Litros agora…
    eu sou uma menina pura tah
    naum penso nessas coisas
    ><
    rumm

    Responder
  • 81. gbatista  |  Maio 24, 2010 às 5:47 pm

    É, pra perceber que você é muito pura.

    E eu sou um sorvete gigante de morango caramelizado. Quer dar uma chupadinha para provar?

    Responder
  • 82. Beatriz Silva  |  Maio 24, 2010 às 5:50 pm

    Odeio morango!
    Prefiro Kiwi, ou melão…

    Responder
    • 83. gbatista  |  Maio 24, 2010 às 5:52 pm

      Meu apelido é kiwi e tenho dois melões feitos em um bonsai guardados.

      Responder
  • 84. Ryan  |  Maio 24, 2010 às 5:51 pm

    TÁ BOM, CHEGA, CALEM-SE #change

    Baixaram o nível, hein?

    Não vou entrar nessa brincadeira e vou perguntar de novo: o que você quer dizer com o lance da distância?

    Você quer dizer que dois grupos ideológicos distantes só não se pegam na porrada por que estão longe?

    Responder
  • 85. Ryan  |  Maio 24, 2010 às 5:53 pm

    Tipo… a briga vai ficar por isso e ninguem vai sair no tapa.

    Isso é bastante lógico.

    Agora: você tá falando num contexto geral, dessa discussão aqui ou o que? Por que existem vários fatores a serem considerados.

    Mas nada disso diminui a importância da discussão no desenvolvimento social.

    Responder
  • 86. Beatriz Silva  |  Maio 24, 2010 às 5:53 pm

    Quem começou foi ele não eu…
    tsc tsc
    Isso menino, isso!
    A nom ser que o teletransporte exista, o que, pelo oq eu saiba não existe, mas, como sempre, provavelmente, vc irá discordar de mim…

    Responder
  • 87. Ryan  |  Maio 24, 2010 às 5:54 pm

    Hey, não aja/aga/sei lá como escreve como se eu fosse discordar de tudo préviamente.

    Isso seria preconceito (pré-conceito) da minha parte.

    E teletransporte não existe. De qualquer forma eu morreria de medo desse meio de transporte…

    Responder
  • 88. Beatriz Silva  |  Maio 24, 2010 às 5:56 pm

    G batista precisa urgentemente de uma mulher OU ele é tarado mesmo [medo]
    e Mrs. Ryan
    Parei, cansei, não sou uma boa pessoa para discutir, eu to cansada, e vc tah certo ok!
    ¬¬’

    Nha, não, brigas fisicas não interferem no desenvolvimento social, a não ser que alguem morra…

    Responder
    • 89. gbatista  |  Maio 24, 2010 às 6:03 pm

      Não é eu que preciso de mulher. Tenho namorada e estou plenamente satisfeito com isso.

      Dizer essas coisas foi o “calaboca, magda” mais educado que eu arrumei.

      Responder
  • 90. Beatriz Silva  |  Maio 24, 2010 às 5:57 pm

    Eu ficaria feliz com o teletransporte, ir para o trab sem precisar pegar um transito, ou uma estrada infernal, pra mim tava de bom tamanho…

    Responder
  • 91. Ryan  |  Maio 24, 2010 às 6:00 pm

    Eu vou partir do princípio de que você não está sendo irônica e que realmente quer encerrar o assunto.

    E, claro, brigas físicas só servem para atrapalhar, mas o caso é que da mesma forma que a discussão pode levar à briga, uma discussão pode evitar uma briga. Depende dos participantes.

    É o caso, por exemplo, dos malucos que lutam pelas terras santas lá no oriente médio. Eles realmente NÃO querem evitar brigas…

    Responder
  • 92. Beatriz Silva  |  Maio 24, 2010 às 6:10 pm

    A sim, claro!
    [aja é com “j”, e pra usar o g com o som de ge, seria ge, gi, apenas, o restante sai com som de “guê”, exemplo: gato, guto, gotico]
    Em tudo, depende das pessoas que estão participando.

    Os malucos não são tão malucos assim, o Sr Potencia EUA quer tirar o que é deles por um preço baixissimo e vender a um custo alto! Ta certo que depois disso, eles tão brincando já de quem consegue destruir quem primeiro, uma brincadeira de mal gosto, [que mata inocentes, mas quem sou eu pra entrar no meio?! Suicida é que não]

    Responder
  • 93. Pulga  |  Maio 24, 2010 às 8:53 pm

    CHEGA!

    Responder
  • 94. Jonathan Linguini  |  Maio 25, 2010 às 1:49 pm

    má Ryan tu é muito chato cara! pare de falar!

    [esperando réplica de 5.000 caracteres abaixo]

    Responder
  • 95. Beatriz Silva  |  Maio 25, 2010 às 2:48 pm

    Até quemfim um ser ironico aqui…
    Jonathan, to contigo e nom abro
    e áh, prepare se pra ler muito, o Ryan gosta de escrever e replicar tudo oq qualquer pessoa post =D

    Responder
  • 96. Beatriz Silva  |  Maio 25, 2010 às 2:49 pm

    Até quemfim um ser ironico aqui…
    Jonathan, to contigo e nom abro
    e áh, prepare se pra ler muito, o Ryan gosta de escrever e replicar tudo oq qualquer pessoa posta =D

    Responder
  • 97. JG  |  Maio 25, 2010 às 7:23 pm

    Ficar selecionando quem é, e quem não é nerd, não é nada nerd. Na verdade esse negócio de seleção é coisa dos (voltando um pouco aos anos 80) populares.

    Eu acho que nerd, é quem se diz nerd. Se tem muito preto achando que é nerd, é pq ta na moda. Daqui a pouco a onda passa, e tudo volta aos conformes. Só os nerds se dirão nerds.

    Responder
  • 98. Ryan  |  Maio 29, 2010 às 3:20 pm

    Pô, que mal, só por que eu não tenho capacidade de síntese =/

    (quase me ferrei no vestibular por usar caracteres demais, hehe)

    Responder
  • 99. Beatriz Silva  |  Maio 29, 2010 às 5:05 pm

    kkkkkkk, isso é algo que não duvido de vc Ryan….

    Responder
  • 100. Jonathan Linguini  |  Maio 31, 2010 às 3:04 am

    rumo ao 100 \o/

    Responder
  • 101. Thompson  |  Junho 3, 2010 às 6:25 pm

    Nerd é um termo cujas interpretações são ambíguas e o texto baseia-se única e exclusivamente em seu ponto de vista extremista e insurgente. Partindo daí, qualquer indagação é mera especulação. Nada mais vi nos argumentos que afirmações elevadas à máxima potência, de tal forma a chamar a atenção de quem as lê. Funciona tanto quanto soa imaturo. Aliás, conhecimento se extrai das mais variadas maneiras, seja através de seriados televisivos, filmes ou um simples passeio no parque. Imagino que seja interessante embasar seus argumentos de maneira mais coerente, decida-se entre enfatizar filosofia, inteligência ou cultura de uma maneira geral, ao invés de fazer uso da internet como latrina para regurgitar sua revolta sem quaisquer critérios.

    Obs.: Também é interessante pesquisar acerca dos assuntos os quais aborda. A partícula de Ribbs inexiste, mas o bóson de Riggs ou partícula de Deus, também comumente chamada em meio a comunidade científica.

    Responder
    • 102. gbatista  |  Junho 4, 2010 às 2:26 am

      Meh, não.

      Prefiro que levem a internet a sério e se magoem com esse textinho cujos argumentos são falhos.

      Responder
  • 103. gbatista  |  Junho 7, 2010 às 1:12 am

    CEEEEEEEEEEEEEENTO E DOIS COMENTÁRIOS.

    Outra comemoração dessas só quando atingir mais de 9 mil.

    Responder

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Clique para assinar este blog e receber notificações de novos artigos por email

Junte-se a 20 outros seguidores


%d bloggers like this: